Cachoeira do Sul, Sexta-Feira  31 de Outubro de 2014
...E não há salvação em nenhum outro; porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos. At. 4.12
  Nossa Igreja
  Nossa História
  Localização
  Links
  Mural de Recados

  Fundamentos
  A Porta do Reino
  Arrependimento
  Batismo
  O Dom do Espírito

   Edificando
  Artigos
  Estudos Bíblicos
  Plano de Leitura Biblica

  Galeria Multimídia
  vídeos
  E-Books
  Galeria de Fotos
  Retiro de carnaval
  I Camp Teen

Artigos

A HISTÓRIA DO CRISTIANISMO (Cap. 6)
A IGREJA CRISTÃ NO REINADO DO IMPERADOR CONSTANTINO

Depois do intenso período de perseguições ocasionado pelos imperadores romanos, a igreja cristã, tomou uma nova direção. Após algumas batalhas, o Império Romano passou para as mãos do Imperador Constantino (cerca do ano 324. Ele reinou até a sua morte em 337). Numa noite, antes da última batalha para conquistar o trono, ele teve um sonho onde lhe pareceu ver as iniciais do nome de Cristo, com a inscrição; "Por este sinal vencerás". Tomando isso por um oráculo mandou reproduzir o sinal da visão sobre o seu elmo e sobre os escudos dos soldados. Vencendo a batalha ele creu que o Deus dos cristãos lhe havia dado a vitória. Desde então se considerou, para todos os efeitos, um cristão. A igreja ficou livre das perseguições, mas, passou a estar sob uma forte influência do imperador. Assim, a igreja se uniu ao Estado, o que ocasionou prejuízos à fé cristã.

A política de Constantino direcionava tudo para uma só lei, um só imperador, uma única cidadania para todos os homens, uma só religião. Por um decreto o cristianismo tornou-se a religião oficial do todo o Império. Com isso a igreja cresceu nesse terceiro século, com grandes prejuízos para a autêntica fé cristã. Ela recebeu privilégios do governo. O trabalho foi proibido aos domingos passando a ser dia especial para o culto a Deus. Os sacrifícios pagãos foram restringidos, mas não descartados de todo. Foram estabelecidas leis favoráveis aos cristãos; templos foram construídos e outros, que eram consagrados aos deuses pagãos, foram adaptados ao culto cristão. Mas a nova fé imposta pelo governo a todo o império, não impediu que parte do povo continuasse cultuando os deuses do paganismo. No ano 324 um édito imperial determinou que todos os soldados do exército romano fossem batizados e integrados na fé cristã. Um prejuízo para a igreja foi, também, a mudança da capital do império de Roma para Bizâncio. Constantino a chamava de Nova Roma, mas o mundo lhe atribuiu o nome de Constantinopla [Cidade de Constantino].

A nova situação em que a igreja se encontrou, possibilitou o surgir de diferentes apostasias, sendo que a principal delas foi o "arianismo", que deu lugar a acaloradas controvérsias sobre a doutrina na Trindade. Alguns homens, descontentes com o que ocorria na igreja, retiraram-se para o deserto, onde se dedicavam a uma vida ascética. Essas são as raízes dos monastérios que surgiriam mais tarde. Outros descontentes criaram cismas e romperam a comunhão com os demais cristãos.

Antes da época de Constantino o culto cristão era simples. Os cristãos se reuniam em casas particulares, nada de templos, não havendo qualquer cerimonial. Com a nova situação os crentes começaram a se reunir em templos, muitos dos quais foram erguidos para o culto pagão. Por influência do protocolo imperial, que queimava incenso ao culto do imperador, começou o incenso a ser usado nos cultos cristãos como uma honra prestada a Deus. Surgiu após o uso de vestimentas especiais para os guias espirituais e outras, ricamente ornamentadas, como sinal de respeito ao culto a Deus. Começaram também os processionais introdutórios ao culto. Outros rituais foram se estabelecendo, os quais eram realizados somente pelo clero, o que tornou o povo em um mero ouvinte. O problema mais grave foi que as imagens dos altares pagãos deram lugar às imagens de personagens cristãos. Assim, começou o culto a Maria, aos apóstolos e aos mártires.

Os líderes foram tomando uma posição de destaque e logo surgiu o cargo de bispo, personagem que se sobrepunha aos demais líderes em um determinado território e as suas congregações. Essa situação ocasionou, pouco mais adiante, que um bispo se tornasse acima de todos os demais bispos, o que deu origem a um governo superior sobre todos, o do Papa.

Próximo:

Capítulo 7 - O Desenvolvimento do Poder da Igreja de Roma



Atalhos da página
Editar Imprimir esta página.
Editar Mandar link para um amigo.

Horários de reuniões na sede

Livretos

Você sabe para que você existe?

Previsão do tempo
Visitas
71956

Rede Social Corporativa e-Solution Backsite